Roncos e Apneia do Sono

Roncos e Apneia do Sono

roncos e apneias do sono

Roncos e apneia do sono são cada vez mais comuns. Adultos roncam principalmente por causa de excesso de peso e a incidência de sedentarismo e obesidade vêm aumentando. Outras causas comuns de roncos nos adultos são problemas relacionados ao nariz. Nariz entupido faz com que a pessoa tenha uma tendência de respirar pela boca durante à noite, o que pode causar o ronco.

Problemas de arcada dentária e desenvolvimento da face também podem estar relacionados ao ronco, como a retrognatia (mandíbula retraída). Esses problemas acontecem mais em pessoas que respiraram pela boca durante a infância e desenvolvem menos a mandíbula e a maxila.

Amígdalas grandes também podem ser problema, pois fecham a garganta e dificultam a passagem do ar durante o sono quando a musculatura da faringe relaxa.

Com a idade, também pode haver uma maior flacidez da musculatura da faringe, com maiores chance de roncos.

Nas crianças, o problema maior costuma ser o aumento de adenoide e amígdalas. A adenoide é uma estrutura parecida com uma amígdala e fica no fundo do nariz, na região entre ele e a garganta. Todo mundo tem, mas em algumas pessoas (principalmente crianças) elas ficam muito grandes e obstruem a respiração. Podem ser chamadas popularmente de “carne esponjosa”, mas esse não é um nome técnico, então evitamos usá-lo. Adenoide e amígdalas são órgãos ativos que ajudam na proteção do organismo, mas que às vezes crescem demais e se tornam um grande problema.

roncos e apneias do sono

Outras causas de roncos em crianças normalmente estão associadas a obesidade infantil ou alterações esqueléticas de face. A chupeta, por exemplo, quando usada por muito tempo pode causar um levantamento do palato duro (céu da boca) e consequentemente uma diminuição da cavidade nasal, além de proporcionar um desenvolvimento inadequado da arcada dentária e uma tendência da criança sempre respirar pela boca.

Os roncos podem ser sinal de uma doença: a apneia do sono. A grosso modo, apneia do sono é quando a pessoa pára de respirar durante a noite (a= não, pneia= respiração). Isso ocorre na maioria das vezes pelo colabamento da musculatura e da mucosa da garganta durante o sono, fechando a faringe. A pessoa fica algum tempo sem respirar (alguns segundos) e depois volta. Isso pode se repetir várias vezes durante a noite. Dependendo de quantos episódios de apneia ocorrem em uma noite e de quanto tempo a pessoa fica sem respirar vamos categorizar a apneia desse paciente como leve, moderada ou severa. Essa avaliação é feita durante um exame chamado polissonografia onde o paciente dorme em um laboratório durante uma noite.

O tratamento é individualizado e depende de diversos fatores, inclusive fatores anatômicos do paciente.  Algumas opções de tratamento, dependendo do caso, são: cirurgias de nariz e/ou garganta, cirurgias esqueléticas da face, uso de aparelhos dentários durante à noite, emagrecimento e uso de um aparelho chamado CPAP, um compressor de ar que impede que o paciente tenha apneias durante à noite.

“As informações aqui colocadas são de caráter informativo. Cada paciente possui suas particularidades e deve ser avaliado e tratado de forma individualizada. Se você tem algum problema de saúde, procure um médico especialista.”

Dr. Henrique Gobbo

CRM – 117688 SP